Projeto

Introdução
Radamés Gnattali é reconhecido, nacional e internacionalmente, como um dos mestres maiores da música brasileira e latino-americana. Sua obra de concerto é volumosa, com cerca de 300 peças, entre solos para piano, violão, música de câmara e sinfônica.
No âmbito da música popular Radamés ocupa uma posição absolutamente singular, em relação a seus contemporâneos, tanto pelo volume da sua produção, como pelo aspecto presencial, intenso e colaborativo de sua atuação junto aos músicos populares. Labutando com pianeiros, sambistas e chorões, no lufa-lufa das estações de rádio e estúdios de gravação, o maestro sabia reconhecer, também, o quanto aprendia com eles.
“(…) Eu sempre trabalhei com música popular e gosto muito. Aliás, devo a isso eu fazer alguma coisa de brasileiro, hoje (…)”. “Minha música é toda brasileira, baseada em temas folclóricos, e urbanos do Rio de Janeiro”.
Explica-se, assim, por que Radamés gostava tanto de escrever para os amigos e seus instrumentos pouco contemplados pelos compositores de sua época. Em seu catálogo de música erudita constam concertinos, concertos, sonatas e sonatinas, divertimentos e suítes para bandolim, acordeom, cavaquinho, bateria, guitarra elétrica, violão 7 cordas, pandeiro. E é a partir dessas obras que músicos da grandeza de Jacob do Bandolim, Edu da Gaita, Joel Nascimento, Chiquinho do Acordeom, Garoto sobem, pela primeira vez, ao palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro para atuarem como concertistas.
Fundador do arranjo orquestral para a música popular brasileira, ao lado de Pixinguinha, Radamés foi também pioneiro na maneira sofisticada de orquestrar a música simples do cancioneiro urbano, sem jamais descaracteriza-la. O percussionista sinfônico e baterista Luciano Perrone, célebre por ter sistematizado a batucada do samba na bateria, na década de 1920, fez um comentário interessante sobre esse traço tão característico da obra do amigo maestro:
“Radamés é impermeável porquê quando ele faz música popular é música popular e quando faz música de concerto é música de concerto. Uma não atrapalha a outra. Como arranjador e regente, ele faz uma orquestra sinfônica tocar um samba sem tirar-lhe o espírito, nada fica cheirando a sinfonia”.
De fato, Radamés soube, como poucos, dividir tempo e inspiração entre os gêneros erudito e popular, de maneira equilibrada, sem que um atrapalhasse o outro, estabelecendo uma comunicação natural e rara entre estéticas consideradas inconciliáveis, até a sua chegada.
Projeto
O projeto Catálogo digital Radamés Gnattali de música popular, selecionado pelo programa Rumos Itaú Cultural – 2017/18, vem somar-se ao catálogo digital de música erudita do compositor gaúcho, por nós organizado e lançado em CD-ROM multimídia, no ano de 2005, com patrocínio do programa Petrobras Música/2003.
Em 2006, por ocasião das comemorações do centenário do seu nascimento, lançamos o primeiro site de Radamés Gnattali, permanecendo na web até 2017 quando o retiramos do ar para reestruturação do seu sistema operacional.
Objetivos
Idealizado e produzido por Roberto Gnattali e Adriana Ballesté, o Catálogo digital Radamés Gnattali de música popular cumpre os seguintes objetivos:
. Criar o primeiro catálogo digital de obras de música popular do compositor Radamés Gnattali, dividido em duas categorias distintas: a) composições ; b) arranjos.
. Inventariar, digitalizar e catalogar em um banco de imagens, todas as partituras de música popular – composições e/ou arranjos – levantadas no arquivo pessoal do compositor e outras fontes.
. Construir e lançar na web o novo Site Oficial Radamés Gnattali, bilíngue (português – inglês), contendo o inédito catálogo digital de música popular do maestro.
. Contribuir para a preservação e divulgação da obra de Radamés Gnattali, nos planos nacional e internacional, ampliando o diálogo entre a administração do seu acervo e o público usuário.
Justificativa
Composições
Radamés compôs cerca de duzentas peças de música popular. Se, por um lado, suas músicas de concerto eram registradas em partitura, com todo o rigor da linguagem musical, catalogadas em cadernos e arquivadas em pastas, o mesmo não se dava com sua produção de música popular. Não que ele deixasse de grafar uma composição por se tratar de um choro ou samba, ao contrário, sabemos que Radamés escrevia tudo. Para ele, popular ou erudita, música era música. Entretanto o mestre não dedicava ao seu repertório popular os mesmos cuidados dispensados à sua música de concerto. O resultado disso é que vários de seus manuscritos foram perdidos, não se sabe onde, restando daquelas  músicas apenas gravações e/ou comentários na imprensa. Embora não incluídas nos catálogos deste site, por inexistência do documento físico (a partitura), mesmo assim, tivemos o cuidado de listar todos os títulos de obras de Radamés de que tivemos conhecimento buscando, sempre, informações em fontes seguras.
Arranjos
Os arranjos de Radamés, que integram os catálogos deste projeto, foram selecionados  obedecendo o seguinte critério:
1) Arranjos para suas próprias composições.
2) Arranjos especiais (*) para músicas de outros autores, escritos para conjuntos de câmara dirigidos pelo maestro, tais como o Duo Radamés e Aída Gnattali, o Sexteto Radamés, a Camerata Carioca, a Orquestra Brasileira de Radamés Gnattali, entre outros.
3) Arranjos especiais (*) para músicas de outros autores, escritos para qualquer tipo de grupo.

_______________________

(*) Entenda-se por “arranjos especiais” aqueles mais elaborados, nos quais Radamés lançava mão de recursos composicionais  comumente empregados em sua obra de concerto.


Catálogo digital Radamés Gnattali de música popular
Site Oficial Radamés Gnattali 

Equipe do projeto
. Inventário de partituras:  Nelly Gnattali | Roberto Gnattali |  Flávio de Paula
. Catalogação de partituras:  Álea de Almeida | Adriana Ballesté | Tomaz Retz 
. Apoio tecnológico: Monocromo
. Pesquisa / textos: Roberto Gnattali | Maria Clara Wasserman 
.
Pesquisa na imprensa: Jamerson Farias | Roberto Gnattali
. Versão de textos para o inglês: Lidia Becker
. Revisão de textos: Liana Koiller Schnoor
. Digitalização de partituras: DOCPRO
. Editoração / revisão de partituras:  Jayme Vignoli | José Staneck | Luiz Flávio Alcofra |    Marcílio Lopes 
. Contadoria: M & A Consultoria Contábil Ltda.
. Programação visual:  Daniel Gnattali
. Direção de arte/Webdesign:  Luciana Araújo | LUMYX design
. Desenvolvimento e CMS – Mileni Santos
. Coordenação de tecnologia e arquitetura da informação: Adriana Ballesté
. Coordenação geral: Roberto Gnattali


Agradecimentos

. Aída Gnattali (in memoriam)
. Alexandre Dias (IPB-DF)
. Alexandre Loureiro (RJ)
. André Cardoso (ABM-RJ)
. Carla Gnattali (RJ)
. Discoteca MB [Miguel Bragioni] (SP)
. Hugo Pilger (RJ)
. Jairo Severiano (RJ)
. Jussara Gomes Grüber (DF)
. Luciana Rabello (Casa do Choro-RJ)
. Luis Antonio Santos (RJ)
. Luis Rabello (NL)
. Nelly Gnattali (RJ)
. Paulo Aragão (Casa do Choro-RJ)
. Paulo Santoro (Quarteto Concertante-RJ)
. Priscila Câmara (RJ)
. Sandrino Santoro (RJ)
. Saulo Augusto Sanabio (RJ)
. Sergio Prata (RJ)
. Valéria Peixoto (ABM-RJ)

Fontes de consulta

Instituições
. Academia Brasileira de Música: https://www.abmusica.org.br/
. Casa do Choro: http://www.casadochoro.com.br/
. Instituto Moreira Sales (IMS): https://ims.com.br/
. Instituto Piano Brasileiro (IPB): http://institutopianobrasileiro.com.br/
. Museu Villa-Lobos: https://museuvillalobos.museus.gov.br/

Discografias e arquivos sonoros
. Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro (MIS):  http://www.mis.rj.gov.br/
. Arquivo Nirez – gravações de discos de 78 rpm
. Discos do Brasil:  https://discosdobrasil.com.br/  
. Instituto Memória Musical Brasileira (IMMuB): https://immub.org/

Bibliografia 
. Barbosa, Valdinha & Devos, Anne Marie. Radamés Gnattali – o eterno experimentador. Rio de Janeiro: Funarte, 1984.
. Didier, Aluísio. Radamés Gnattali. Rio de Janeiro: Brasiliana Produções, 1996.
. Mariz, Vasco. História da Música no Brasil. Coleção Retratos do Brasil, volume 150. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira / INL / MEC, 1981
. Pinheiro, Claudia. Org. A Rádio Nacional. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2005.
. Saroldi, Luiz Carlos & Moreira, Sonia Virgínia. Rádio Nacional: o Brasil em sintonia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.
. Severiano, Jairo. Uma história da música popular brasileira: das origens à modernidade. São Paulo: Ed. 34, 2008.
. Severiano, Jairo & Homem de Mello, Zuza. A Canção no Tempo: 85 anos de músicas brasileiras. Vols 1e 2. São Paulo: Ed. 34, 1997.

Mídias digitais
. Ballesté, Adriana & Gnattali, Roberto. Catálogo digital Radamés Gnattali, CD-ROM multimídia. Petrobras Cultural. Rio de Janeiro, 2005.

Sites
. Cinemateca Brasileira: http://cinemateca.org.br
. Dicionário Cravo Albin da Música Popular: /https://www.dicionariompb.com.br/  
. Enciclopédia Itaú Cultural: https://enciclopedia.itaucultural.org.br/
. Fundação Getúlio Vargas/CPDOC: https://cpdoc.fgv.br/
. Hemeroteca da Biblioteca Nacional: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/
. IMS – Acervos de Música: https://ims.com.br/acervos/musica/
. IMS – Ernesto Nazareth – 150 anos: https://www.ernestonazareth150anos.com.br/
. IMS – Pixinguinha: https://pixinguinha.com.br/
. Instituto Antonio Carlos Jobim – http://www.jobim.org/