1958

  • A Orquestra Sinfônica Brasileira apresenta o Festival Radamés Gnattali. Edu da Gaita executa, em primeira audição mundial, o Concertino para harmônica de boca e orquestra de câmara (1956), a ele dedicado. O programa inclui, ainda, a Brasiliana nº 6 – concerto – para piano e orquestra (1954), a Sinfonia popular (1956) e o Concertino para piano, flauta e orquestra de cordas (1942), executado por Radamés Gnattali, ao piano, com a participação do flautista Moacyr Lissera, sob a regência do maestro Armando Belardi.

 

 

 

 

  • Radamés grava, na Todamérica,  a Brasiliana nº 7  para piano e saxofone tenor e a Brasiliana nº 8, para dois pianos, ambas compostas em 1956.

 

 

profissional_Sandoval Dias e Radamés Gnattali gravam a Brasiliana nº 7.

 

 

 

 

 

 

profissional_

Duo Radamés e Aída Gnattali gravam a Brasiliana nº 8

 

 

 

 

 

 

  • Na gravadora Continental, Radamés grava o elepê Radamés em ritmo de samba – Radamés e sua orquestra. 

 

 

 

  • Radamés compõe:
    • Dança brasileira, para violão – dedicada a Laurindo Almeida.
    • Negrinho do pastoreio (bailado) para dois pianos
    • Quatro noturnos para quarteto de cordas e piano 

 

 

 

  • Estreia, no Rio de Janeiro, no Teatro de Arena, a peça Eles Não Usam Black-Tie, de Gianfrancesco Guarnieri.

 

  • Jorge Amado lança, com enorme sucesso, o livro Gabriela, cravo e canela.

 

  • Publicado, em São Paulo, o Manifesto Concretista, do grupo dos poetas Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Décio Pignatari.

 

  • A seleção brasileira sagra-se campeã do mundo, na Suécia.

 

  • Os Estados Unidos lançam no espaço o seu primeiro satélite artificial.