1939

  • O Brasil participa da Feira Mundial de Nova York (The Golden Gate International Exposition) e envia gravações de música erudita de vários compositores brasileiros, tais como Carlos Gomes, Alberto Nepomuceno, Alexandre Levy, Henrique Oswald, Lorenzo Fernandes, Francisco Mignone, Camargo Guarnieri, Villa-Lobos e Radamés Gnattali. De Radamés, a peça escolhida é a Fantasia brasileira (1937), especialmente gravada para o evento pela Orquestra do Sindicato Musical do Rio de Janeiro sob a regência de Romeu Ghipsman, com o autor ao piano [1].

 

 

 

Fantasia Brasileira nº1 – para piano e orquestra
I – Animado (trecho)
Orquestra do Sindicato Musical do Rio de Janeiro
Romeu Ghipsman, regente
Radamés Gnattali, piano
(Gravação não lançada comercialmente.
Arquivo particular de Humberto Franceschi) 

 

 

  • Estreia dia 28 de julho no Theatro Municipal do Rio de Janeiro a Revista Joujoux e balangandans, reunindo as orquestras das rádios Mayrink Veiga e Nacional, com arranjos e regência de Radamés Gnattali. No espetáculo, a novidade é a estreia de Aquarela do Brasil, de Ary Barroso. Ainda neste ano, Francisco Alves grava a canção, na Odeon, com um célebre arranjo de Radamés [2].

 

Joujoux e balangandãs

Joujoux e balangandans

 

  • Em outubro, a Companhia de Jardel Jércolis estreia, no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, a opereta O tesouro do Sultão, de Ariovaldo Pires (Capitão Furtado), com música e regência de Radamés.

 

  • Em dezembro, a Rádio Nacional apresenta em seu estúdio, só para convidados, a primeira audição do Quarteto nº1 para 2 violinos, viola e violoncelo [3] de Radamés, composto neste mesmo ano. Obra dedicada a Jorge de Lima, teve como intérpretes Romeu Ghipsman e Célio Nogueira (violinos), Edmundo Blois (viola) e Iberê Gomes Grosso (violoncelo).

 

  • A gravadora Odeon lança, de Radamés, o choro Alma Brasileira e a batucada Eu hei de ver você chorar (em parceria com Ocis), com a orquestra da gravadora.

 

  • É lançado o filme Onde estás felicidade? com direção de Mesquitinha e músicas de Radamés e Luciano Perrone, dentre as quais a canção tema Onde está felicidade?

 

 

Radamés compõe:

    • Cantilena para quarteto de cordas
    • Quarteto nº 1 para 2 violinos, viola e violoncelo – dedicado ao amigo Jorge de Lima
    • Valsas para pianociclo de 10 valsas dedicadas ao pianista espanhol José Arriola, editadas em 1945.

 

 

  • Nasce, no Rio de Janeiro (RJ), o compositor, professor e maestro Ricardo Tacuchian.

 

 

  • Surge, no Rio de Janeiro (RJ), o grupo Música Viva [4], fundado pelo professor e compositor Hans-Joachim Koellreutter, imigrante alemão, chegado ao Brasil em 1937.

 

  • Dorival Caymmi grava o seu primeiro disco, com participação de Carmen Miranda na faixa O que é que a baiana tem.

 

  • Carmen Miranda embarca para os EUA com o grupo vocal Bando da Lua [5].

 

  • O Estado Novo de Getúlio Vargas, que muito apreciou o novo tipo de samba lançado por Ary Barroso, o samba-exaltação, passa a recomendar aos compositores populares que abandonem o tema da malandragem carioca em suas músicas.

 

  • É criado o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), que tem como funções principais a promoção dos atos do governo e a censura aos meios de comunicação.

 

  • Os EUA reforçam, na América Latina, a “Política de boa vizinhança” (iniciada em 1933) e emprestam ao Brasil 50 milhões de dólares.

 

  • A Alemanha invade a Polônia, é o começo da Segunda Guerra Mundial.

 

  • Realiza-se, em Nova York (EUA), a primeira transmissão pública de televisão.

 

__________

[1] Dados constantes no selo das 3 faces dos discos de 78 rpm, de 12”,  gentilmente digitalizados e cedidos pelo pesquisador e escritor Humberto Franceschi para esta catalogação.
[2] Sobre o famoso “tan, tan, tan – tan, tan, tan”  Radamés conta: “Esse negócio não é meu, não. É do Ary. O Ary queria que eu usasse isso nos contrabaixos, mas não ia fazer efeito nenhum, ia ficar uma droga. Eu então botei cinco saxes fazendo aquilo. O que eu inventei foi o arranjo, pra botar a sugestão no lugar certo”. Depoimento para o MIS-RJ, 1985.
[3] Leia a crítica de Luiz Heitor Correa de Azevedo em Recortes > 1940 – Vamos ler.
[4] Integraram o grupo Música Viva compositores, musicólogos e críticos, tais como Luiz Heitor Corrêa de Azevedo, Brasílio Itiberê, Luiz Cosme, Octávio Bevilcqua, Vasco Mariz, Cláudio Santoro, Eunice Katunda, Edino Krieger e Guerra-Peixe. O grupo teve no compositor Camargo Guarnieri o seu maior opositor.
[5] Carmen Miranda embarca para a América do Norte, sendo a principal contrapartida brasileira à “Política de boa vizinhança”, programa de cooperação entre os países americanos, instituído pelo governo dos Estados Unidos. Carmen  era responsável por representar não só o Brasil mas o “South American way”.