Radamés e seu tempo 1971-1980

1905-19101911-1920 | 1921-1930 | 1931-1940 | 1941-1950 | 1951-1960 | 1961-1970 | 1971-1980 | 1981-1990 | 1991-2000 | 2001-2010 | 2011-2020 

Preloader
  • 1971

    • Em 15 de abril, a Orquestra Sinfônica Nacional apresenta, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, em primeira audição mundial, a Sinfonia popular nº 3 (1969), de Radamés Gnattali, com regência do maestro Mário Tavares. Trê dias depois, a sinfonia é repetida no teatro da TV Globo do Rio de Janeiro, no programa  Concertos para a Juventude, domingo de manhã, com transmissão ao vivo.
     
    • Em 06 de junho, o violonista Laurindo Almeida estreia em Los Angeles, CA (EUA), de Radamés Gnattali, o Concerto nº 4 (à brasileira) para violão e orquestra de cordas, a ele dedicado.
     
    • Ainda em junho, o violonista Roland Harker apresenta, em Londres, o Concerto à Brasileira (nº 4) para violão e orquestra de cordas, de Radamés Gnattali, com a Putney Synphony Orchestra, sob a regência de Keith Stent.
     
    • A gravadora Fermata lança o elepê H. Villa-Lobos, Francisco Mignone, Radamés Gnattali, Cláudio Santoro, Ernest Mahle for Viola and Piano, apresentando o duo Perez Dworecki, viola, e Fritz Jank (ou Cláudio de Brito), piano, interpretando, entre outras obras, a Sonata para viola e piano (1969), de Radamés Gnattali.  
             
    • Radamés compõe:
      • Concerto para violino, viola, violoncelo e piano com orquestra de sopros – dedicado ao Quarteto da Guanabara; o 3º movimento é uma Homenagem a Vivaldi, conforme indicação do autor.
      • Introdução e choro para violino com acompanhamento de violão – dedicado ao Duo Paganini
      • Musiquinha para bis [1] para violino, viola, violoncelo e piano (sobre um tema de Tom Jobim) – dedicada ao Quarteto da Guanabara.
      • Suíte para flauta, oboé, clarinete, fagote e trompa em fá (finalizada em 1973), também referida como Suíte para quinteto de sopros  – dedicada ao Quinteto Villa-Lobos.
         
    • Morre, no Rio de Janeiro, RJ, o médico homeopata, poeta e compositor Alberto Ribeiro, parceiro de Radamés em várias canções, tal como no samba-canção Amargura (1950).
     
    • Morre, em Nova York, o compositor Igor Stravinsky.
       
    • Chico Buarque volta ao Brasil, após 15 meses de autoexílio na Itália, e grava Apesar de Você, que chega a ser liberada e depois vetada pelos censores. Após esse acontecimento, começa um período de violenta censura às artes e à imprensa.
          __________
    • [1] Tempos depois, Radamés transcreve a peça para diversas formações, rebatizando-a de Meu amigo Tom Jobim. Num arranjo para orquestra, de 1983, escreve abaixo do título: “Sobre a música Domingo azul no mar”.
     
  • 1972

    • Em 14 de abril, a Escola de Música da UFRJ, em comemoração ao Sesquicentenário da Independência do Brasil, apresenta, no Salão Leopoldo Miguez, o recital de violoncelo do professor Iberê Gomes Grosso, com Radamés Gnattali ao piano, interpretando, entre outras obras, a Sonata para violoncelo e piano (1935), de Radamés, dedicada ao violoncelista.

     

    • Radamés compõe:
      • Ária da suíte antiga, para violino e piano (do original para orquestra de cordas)
      • Concerto Carioca nº 3 –  para saxofone alto/flauta, violão, contrabaixo e bateria com orquestra (do original para o Quinteto Radamés Gnattali [1], de 1970) (finalizado em 1973)
      • Divertimento para flauta em sol e orquestra de cordas – dedicado ao flautista Altamiro Carrilho

     

     

     

    • Em 31 de março é inaugurado, no Brasil, o sistema de televisão em cores.

     

    __________

    • [1] Para Quinteto Radamés Gnattali, consulte o Glossário.

     

  • 1973

    • Em 17 de fevereiro, morre de infarto o flautista, saxofonoista, compositor, arranjador e maestro Pixinguinha (Alfredo da Rocha Vianna Filho), na Igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, no Rio de Janeiro. Radamés dedicou-lhe a valsa para piano solo Uma rosa para o Pixinguinha (1964) e o homenageou na suíte Retratos (1956) e em outras obras de música popular e de concerto.

     

     

    amigos_
    Radamés e Pixinguinha.

     

     

    Uma rosa para o Pixinguinha
    Radamés Gnattali, piano
    MIS- 199.001.525  (1997)

     

     

     

     

    • Radamés compõe:
      • Canções populares do Brasil nº 4 para orquestra de cordas (curiosamente, as Canções populares do Brasil n° 1, 2 e 3 estão datadas de 1975)
      • Concerto para orquestra de cordas (iniciado em 1971)
      • Divertimento para marimba e orquestra de cordas – dedicado ao percussionista Luiz D’ Anunciação, autor da cadência.
      • Sonata nº 2 para violoncelo e piano – dedicada ao violoncelista Iberê Gomes Grosso.
      • Suíte antiga para cordas [1]
      • Suíte para cordas [2]

     

     

     

    • A crise mundial do petróleo [3] põe fim ao, chamado, “Milagre Brasileiro”.

     

    • O presidente eleito do Chile, Salvador Allende, é deposto e morto por um golpe militar.

     

    __________

    • [1] [2]  A Suíte antiga é idêntica à Suíte para cordas, exceto pela divisão da orquestra. A primeira apresenta uma formação com violinos 1 e 2, violas 1 e 2 e cellos 1 e 2, em contrabaixo. A segunda, com violinos 1 e 2, violas, cellos e contrabaixo.
    • [3] A OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) pega o mundo de surpresa e aumenta o preço do barril de petróleo de 2,2 para 11,7 dólares.
  • 1974

    • Radamés Gnattali recebe o título de Cidadão do Estado da Guanabara, conferido pela Assembleia Legislativa do Estado.

     

    • O Sexteto do Rio [1] estreia a Sonatina a Seis, para piano e quinteto de sopros, de Radamés, Gnattali, em concerto do dia 13/05, no extinto auditório do IBAM, no bairro do Humaitá, no Rio de Janeiro.

     

    • Em 08/06 a Orquestra Sinfônica Nacional, sob a regência de Alceo Bocchino apresenta, em 1ª audição mundial, a versão para grande orquestra da Brasiliana nº 11, do original para piano e 8 violoncelos, de 1966. A estreia se dá na Sala Cecília Meireles.

     

     

     

    • Radamés compõe:
      • Divertimento para flauta, oboé, clarinete, fagote, trompa e piano com orquestra de cordas
      • Divertimento para seis instrumentos – escrito para o Sexteto Radamés Gnattali [2]. Há uma parte de piano adaptada para a formação de quinteto. (versão do Trio para piano, contrabaixo e bateria, de 1966).
      • Quarteto nº 2 para violino, viola, violoncelo e piano [3] – dedicado ao Quarteto da Guanabara
      • Sinfonia popular nº 4 para grande orquestra (finalizada em 1975)
      • Sonatina em ré maior para flauta e piano – dedicada a Celso Woltzenlogel e Heitor Alimonda (o terceiro movimento é uma homenagem a Pixinguinha)

     

     

    partitura_

     

     

     

    • Morre, no Rio de Janeiro (RJ), o compositor e ritmista João da Baiana (João Machado Guedes), tocador de prato e faca, introdutor do pandeiro no samba, considerado por Radamés o melhor pandeirista de todos os tempos.

     

    • Morre, no Rio de Janeiro (RJ), o compositor Donga (Ernesto Joaquim Maria dos Santos), um dos fundadores do grupo Os Oito Batutas, e um dos autores do lendário e polêmico samba Pelo Telefone. 

     

    • Morre em Genebra (Suíça) o compositor Darius Milhaud.

     

     

     

    • Início do governo militar do general Ernesto Geisel.

     

    • Vitória do MDB (partido da oposição) sobre a ARENA (partido da situação) nas eleições parlamentares de novembro. É o início da abertura “lenta, gradual e segura” promovida por Geisel.

     

    • Brasil e China restabelecem relações diplomáticas.

     

    __________

    • [1] O Sexteto do Rio era integrado, à época, pelos seguintes músicos: Heitor Alimonda (piano), Celso Woltzenlogel (flauta), Kleber Veiga (oboé), José Botelho (clarinete), Zdenek Svab (trompa) e Noel Devos (fagote).
    • [2] Para Sexteto Radamés Gnattali, consulte o Glossário
    • [3] Não consta no arquivo particular do compositor um Quarteto nº1 para esta formação.

     

  • 1975

    • O Ministério da Educação e Cultura promove o Programa de Ação Cultural com a participação do Quarteto Instrumental [1], que interpreta, de Radamés Gnattali, as obras Moto Contínuo nº 1 (1964) e Brasiliana nº 8 (1956), em transcrições do autor, dedicadas ao grupo.

     

     

    • A Odeon lança o elepê Radamés Gnattali Sexteto. Entre as músicas que compõem o disco, duas são composições de Radamés: Meu Amigo Tom Jobim e Divertimento para seis instrumentos.

     

    Radamés Gnattali Sexteto

     

     

     

    • A Continental lança o elepê Radamés Gnattali – 50 anos a serviço da música brasileira, apresentando uma coletânea de composições e arranjos de Radamés, criados ao longo da sua carreira. O lançamento antecipa as comemorações do 70º aniversário do maestro.

     

     

     

     

    • Radamés compõe:
      • Canções populares do Brasil nº 1, 2 e 3 para orquestra de cordas (curiosamente, a de nº 4 é datada de 1973)
      • Sinfonia popular nº 2 para grande orquestra (iniciada em 1969)

     

     

     

     

    • Estreia da peça Gota d’Água, de Chico Buarque e Paulo Pontes, com Bibi Ferreira e grande elenco.

     

    • Termina a Guerra do Vietnã (iniciada em 1955), com a derrota dos Estados Unidos.

     

     

    __________

    • [1] O Quarteto Instrumental, à época deste concerto, era formado por Celso Woltzenlogel (flauta), Carlos Augusto Dantas (piano), Antonio Almeida da Anunciação e Luiz D’Anunciação (percussão).
  • 1976

    • Em 27 de janeiro, Radamés Gnattali compelta 70 anos.

     

     

    • Em 29 de abril, em homenagem ao 70º aniversário de Radamés Gnattali, é apresentado na Sala Cecília Meireles, Rio de Janeiro, o seu Concerto para dois violões, oboé e orquestra de cordas (1970), interpretado pelo Duo Assad, para o qual a obra foi dedicada, com a Orquestra Sinfônica Brasileira, sob a regência de Roberto Schnorrenberg.

     

     

    recortes_
    Jornal do Brasil (RJ), 01/12/1976.

     

     

    • Em 17 de maio, na Universidade Federal do Rio Grande de Sul, é realizado o Festival Gnattali, com a participação da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre interpretando, de Radamés, a Sinfonia popular nº 1 (1956) e, em primeira audição, a Sinfonia popular nº 2 (1969/75), dedicada à OSPA, com regência do autor; e o Concerto romântico para piano e orquestra (1949), com regência do maestro Salvador Campanella, tendo Radamés como solista.

     

    recortes_
    Folha da Manhã (RS), 19/05/1976. 

     

     

     

    • Radamés compõe:
      • Divertimento para violino, viola e violoncelo
      • Nau Cararineta, para coro misto e piano, com letra de Domício Augusto – dedicado ao Coral da Universidade Gama Filho.

     

     

     

    • Em 13 de junho, na Sala Cecília Meireles, Rio de Janeiro, acontece a primeira audição mundial do Concerto nº 4 para piano e orquestra (1966), de Radamés Gnattali, com a Orquestra Sinfônica Nacional, sob a regência de Roberto Ricardo Duarte, tendo como solista, o autor.

     

    • Em 9 de julho, ainda dentro dos festejos dos seus 70 anos, acontece, no Theatro Municipal de São Paulo, a primeira audição mundial do Concerto para violino, viola, violoncelo e piano com orquestra de sopros (1971), de Radamés, dedicado ao Quarteto da Guanabara [1], que o executa com a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo, sob a regência de Henrique Morelembaum.

     

    • Em 27 de julho, a Orquestra do Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta, na Sala Cecília Meireles, em primeira audição no Rio de Janeiro, o Concerto para violino, viola, violoncelo e piano com orquestra de sopros (1971), de Radamés Gnattali, dedicado ao Quarteto da Guanabara, que o executa sob a regência do maestro Henrique Morelembaum.

     

    programas_

     

    programas_

     

     

    recortes_
    Jornal do Brasil (RJ) > Crítica > por Edino Krieger.

     

     

    • Radamés é homenageado pela Rede Globo com a gravação da sua cantata umbandista Maria Jesus dos Anjos para coro, orquestra e narrador, com texto de Bororó (Alberto de Castro Simoens da Silva), baseado em pontos de umbanda. Na outra face do elepê, o Sexteto Radamés Gnattali [2] grava a Sonatina coreográfica (quatro movimentos dançantes), a valsa Caminho da Saudade e o choro Bate-papo. A produção artística é de João  Carlos Botezelli (Pelão).

     

     

     

    profissional_Radamés e Bororó em visita ao centro de umbanda de Pai Jerônimo, no Rio de Janeiro, onde recolheram pontos para a criação da cantata Maria Jesus dos Anjos.

     

     

     

    • Radamés recebe, no Rio de Janeiro, o prêmio Golfinho de Ouro, outorgado pelo Conselho do Museu da Imagem e do Som.

     

     

    __________

    • [1] O Quarteto da Guanabara, fundado em 1972, era formado, à época deste concerto, por Mariuccia Iacovino (violino), Frederick Stephany (viola), Iberê Gomes Grosso (violoncelo), Arnaldo Estrella (piano).
    • [2] Para Sexteto Radamés Gnattali, consulte o Glossário.
  • 1977

    • Em 11 de outubro, Radamés concede entrevista à Rádio Jornal do Brasil – FM, Rio de Janeiro, para o programa Especial JB, de Luiz Carlos Saroldi, com Ney Hamilton e participação especial do produtor Pelão (João Carlos Botezelli).

     

     

    Radamés fala sobre o início da sua carreira, do seu ingresso no rádio, como pianista.
    Trecho do programa Especial JB, da Rádio Jornal do Brasil FM.

     

    • Em 05 de abril, dentro da programação da Segunda Semana de Integração Rio Grande do Sul – Uruguai, o violinista Telmo Jaconi apresenta o Concerto nº 3 para violino e orquestra (1969), de Radamés Gnattali, com a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, sob a regência de Pablo Komlós.

     

    • Em 14 de junho, a harpista Amália Maresca apresenta o Concerto para harpa e orquestra de cordas (1957), de Radamés Gnattali, com a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, sob a regência de Victor Tevah, no Salão de Atos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

     

    • O Coral da Universidade Gama Filho, com regência de Abelardo Magalhães, apresenta, na Sala Cecília Meireles, Rio de Janeiro, em primeira audição, Nau Catarineta (1976), para coro misto e piano, de Radamés Gnattali, com letra de  Domício Augusto. Obra dedicada ao grupo.

     

    • A gravadora Emi-Odeon lança o elepê Os Cameristas, conjunto de cordas dirigido pelo maestro Nelson de Macedo, apresentando, como parte do seu repertório, o Concerto para violino e orquestra de cordas (1967), de Radamés Gnattali, interpretado pelo violinista Giancarlo Pareschi, a quem a obra foi dedicada.

     

    • A Continental lança o elepê Latino América para duas Guitarras – Sérgio e Odair Assad, com o Duo Assad interpretando, entre outras obras, o Concerto para dois violões, oboé e orquestra de cordas (1970), de Radamés Gnattali, com a participação do oboísta Moacir Freitas e da Orquestra Armorial de Pernambuco, sob a regência do maestro Cussy de Almeida.

     

     

     

    • Radamés é entrevistado no jornal O Pasquim [1]. Como entrevistadores, os jornalistas Sérgio Cabral e Tárik de Souza, os compositores Hermínio Bello de Carvalho e Macalé, os cartunistas Ziraldo e Jaguar, entre outros.

     

    recortes_
    O Pasquim (RJ), 6 a 12 de maio de 1977

     

    • Radamés compõe:
      • Concertino nº 3 (pequenas mãos) para pian, 1e orquestra de câmara
      • Concerto para acordeom e orquestra de cordas – dedicado a Chiquinho do Acordeom (Romeu Seibel).

     

     

     

    Intimidade_
    Festa em família, Chiquinho do Acordeom e Radamés no reco-reco.

     

     

     

    • Aprovada a Lei do Divórcio, através da Emenda Constitucional nº 9.

     

     

    __________

    • [1] Leia a entrevista completa em Recortes.

     

  • 1978

    • Em 26 de outubro, Radamés Gnattali e Nelly Biato [1] casam-se no Rio de Janeiro (RJ).

     

    Radamés e Nelly Gnattali.
    Radamés e Nelly Gnattali.

     

     

    • Acontece, no dia 30 de abril, na Sala Cecília Meireles, Rio de Janeiro, como parte do Festival Radamés Gnattali, a primeira audição mundial do Concerto para acordeom e orquestra de cordas (1977), de Radamés, executado pelo acordeonista Chiquinho do Acordeom (Romeu Seibel), a quem a obra foi dedicada, com a Orquestra Sinfônica Nacional, sob a regência de Alceo Bocchino. Outras obras que figuram no programa são o Concerto para violoncelo, piano e orquestra de cordas (1965), com o violoncelista Iberê Gomes Grosso e o autor ao piano, a Brasiliana nº 11 para orquestra (1970) e a Brasiliana nº 1 (1944), sempre com regência do maestro Bocchino.

     

     

     

    Concerto para acordeom e orquestra de cordas
    III – Com espírito (Prenda minha) 
    (trecho)
    Orquestra Sinfônica Nacional
    Alceo Bocchino, regente
    Chiquinho (Romeu Seibel), acordeom
    Soarmec – S-0004 (1997)

     

     

     

    Concerto para acordeom e orquestra
    Concerto para acordeom e orquestra

     

     

    • Em 10 de outubro, realiza-se, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, o Concerto Sinfônico em homenagem à Terceira Assembléia das Partes do INTELSAT, com apresentação da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal, interpretando obras de compositores brasileiros, entre as quais a Sinfonia popular nº 1 (1956), de Radamés Gnattali, com regência do autor.

     

    • O pianista Roberto Szidon grava na Deutche Grammophon/Phonogran o elepê Radamés Gnattali – obras para piano.

     

     

    Roberto Szidon grava na Deutche Grammophon/Phonogran o elepê Radamés Gnattali - obras para piano

     

     

     

    • Paulinho da Viola compõe o choro Sarau para Radamés [2].

     

     

     

    • Radamés compõe:
      • Concerto de Noel Rosa para piano e orquestra de câmara – dedicado ao pianista Arthur Moreira Lima (obra baseada em temas do compositor Noel Rosa e seus parceiros, Vadico e João de Barro)

     

     

     

    • Morre, no Rio de Janeiro (RJ), Orlando Silva, “o cantor das multidões”, imortalizado pela gravação de Carinhoso, de Pixinguinha e João de Barro, em 1937.

     

     

    • O presidente Ernesto Geisel revoga o AI-5 (Ato Institucional nº 5).

     

     

    __________

    • [1] Nelly Biato nasceu no Rio de Janeiro (RJ) em 1942. Cantora e atriz profissional, formou-se pela Escola Nacional de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde estudou com o professor Bernardino Queiroz. Na década de 1970, abandonou a carreira artística e formou-se em fisioterapia. Mais tarde, em 1980, formou-se médica pela Faculdade de Medicina da Universidade Gama Filho.
    • [2] Na partitura, a dedicatória de Paulinho: “Radamés, este choro, que comecei há muitos anos e só terminei agora, foi a forma encontrada para dizer meu carinho e minha admiração por você. (12/12/1978).”

     

  • 1979

    • Radamés Gnattali ganha o Prêmio Estácio de Sá de 1979, pelos serviços prestados à música brasileira, conferido pelo Conselho de Música Popular do Museu da Imagem e do Som.

     

    recortes_
    O Globo (RJ) > Estácio e Golfinho 1979 saíram para quem merece. Por Sérgio Cabral

     

    • A pedido do bandolinista Joel Nascimento, Radamés transcreve a parte de orquestra de Retratos (1956) para conjunto regional de choro. A partir da excelente interpretação de Joel e dos jovens músicos que o acompanhavam àquela época, o maestro se anima e dá início a uma nova e última etapa de sua vida, como compositor, arranjador e pianista. Surge, no Rio de Janeiro, a Camerata Carioca [1].

     

    recortes_

     

    recortes_

    Jornal do Brasil (RJ) >
    Um sarau para Radamés
    Por Mara Cabalero

     

     

     

    Retratos – para bandolim solista, cavaquinho, 2 violões, violão 7 cordas, pandeiro
    I – Pixinguinha (trecho)
    Joel Nascimento (bandolim), com a Camerata Carioca
    WEA – M990232-2 (1994)

     

     

     

    • A Sala Funarte, no Rio de Janeiro, apresenta, de 24 de outubro a 03 de novembro, o espetáculo Tributo a Jacob do Bandolim, com roteiro e direção de Hermínio Bello de Carvalho, com Radamés Gnattali (piano, composição e arranjos), Joel Nascimento (bandolim) e acompanhamento da nascente Camerata Carioca. Nos dias 13 e 14 de dezembro, o espetáculo é levado a Salvador (BA) e apresentado no Teatro Castro Alves, em curta temporada.

     

     

    recortes_
    O Globo (RJ) > Tributo a Jacob do Bandolim Por Antônio Chrysostomo

     

    • No final de 1979, a gravadora WEA lança o elepê Tributo a Jacob do Bandolim, apresentando o bandolinista Joel Nascimento, ao lado de Radamés Gnattali, e a estreante Camerata Carioca. No repertótio, além de músicas do homenageado, Joel interpreta a suíte Retratos (1956), de Radamés.

     

    • A Funarte/INM lança o elepê Quinteto Villa-Lobos [2], com obras de compositores brasileiros, entre as quais a Suíte para flauta, oboé, clarinete, fagote e trompa (1971), de Radamés Gnattali.

     

    • O pianista Arthur Moreira Lima grava na Copacabana, A grande música de Noel Rosa, no qual interpreta o Concerto de Noel Rosa para piano e orquestra (1978), de Radamés Gnattali, com regência do autor.

     

    • A gravadora Som Livre lança o elepê Iberê Gomes Grosso – Homenagem, em que o grande virtuose interpreta a Sonata para violoncelo e violão (1969), de Radamés Gnattali, tendo ao violão Nelson de Macedo.

     

     

     

    • Radamés compõe:
      • Concerto Carioca nº 2 para dois violões e orquestra de câmara (transcrição do original para piano, contrabaixo e bateria, com orquestra, de 1964) – dedicado ao Duo Assad.
      • Retratos para bandolim solista, cavaquinho, dois violões, violão 7 cordas e pandeiro (transcrição da parte de orquestra, de 1956, para conjunto de choro) – dedicado ao bandolinista Joel Nascimento.

     

     

     

    • Morre, no Rio de Janeiro (RJ), o compositor e radialista Haroldo Barbosa, uma das mentes mais brilhantes da chamada “era de ouro do rádio”, ao lado de Almirante, José Mauro, Paulo Tapajós e Radamés Gnattali.

     

     

    • Início do governo do último presidente do período de ditadura militar brasileira, general João Baptista de Oliveira Figueiredo. Promove-se a abertura política, o AI-5 deixa de vigorar. É sancionada a Lei da Anistia e vários exilados voltam ao país [3].

     

    • O Congresso aprova a reforma partidária que extingue a ARENA e o MDB.

     

     

    ___________

    [1] Para Camerata Carioca, consulte o Glossário.
    [2] O Quinteto Villa-Lobos, à época da gravação desse Lp, era formado por Carlos Rato (flauta), Ricardo Rodrigues Silva (oboé), Paulo Sérgio Santos (clarinete), Carlos Gomes de Oliveira (trompa), Airton Barbosa (fagote).
    [3] Retornam do exílio Leonel Brizola, Miguel Arraes, Fernando Gabeira, Herbert de Souza (Betinho), Márcio Moreira Alves, entre outros.

     

  • 1980

    • A gravadora Concord Concerto (Hollywood/CA – EUA) lança o elepê Laurindo Almeida: First Concerto for Guitar and Orchestra, apresentando, além de obras do violonista, o Concerto nº 4 para violão e orquestra de cordas (1967), de Radamés.

     

     

    Laurindo Almeida: First Concerto for Guitar and Orchestra,

     

     

     

    • Radamés Gnattali, a cantora Maria Lucia Godoy, a pianista Neusa Prado, a Camerata Carioca e o grupo vocal Viva Voz, protagonizam o espetáculo Música, Música, em comemoração aos 415 anos da cidade do Rio de Janeiro, dia 1º de março, em palco armado na Praça Marechal Floriano, Cinelândia, ao redor das escadarias da Câmara dos Vereadores. Roteiro e direção de Hermínio Bello de Carvalho, com produção da Fundação Rio, da prefeitura da cidade [1].

     

     

     

    • Radamés compõe:
      • Concerto breve (nº 5) para piano, com flauta, tímpanos e orquestra de cordas

     

     

     

    • Retorno do pluripartidarismo, são criados novos partidos políticos no Brasil.

     

    • O papa João Paulo II faz a sua primeira visita ao Brasil.

     

     

    ____________

    [1] Fonte: Hemeroteca da Biblioteca Nacional –  Jornal do Brasil, 27/02/1980.